Venezuela enfrenta nova greve geral

An opposition activist clashes with the police during a march towards the Supreme Court of Justice (TSJ) in an offensive against President Maduro and his call for Constituent Assembly in Caracas on July 22, 2017. The Legislative power, controlled by the opposition, appointed Friday a parallel supreme court in a public session claiming the TSJ judges had been illegally appointed by the parliament’s former pro-government majority. / AFP PHOTO / JUAN BARRETO

A MUD convocou, além disso, uma grande marcha em Caracas na sexta-feira (28), na última tentativa de fazer com que Maduro desista de realizar a eleição dos 545 membros da Constituinte. Guevara advertiu ainda que, se a eleição ocorrer, a oposição se prepara para um “boicote cívico, sem armas, sem violência, mas com determinação”.
O presidente Maduro, no entanto, já afirmou que levará em frente a reforma constituinte. Além da resistência doméstica, ele enfrenta ainda ameaças de sanção econômica dos EUA e da União Europeia, e pedidos internacionais para que aceite o resultado do referendo celebrado no último dia 16 contra a Constituinte.
Maduro advertiu ainda os líderes dos protestos que irão para a prisão uma vez que se instale a Constituinte, em 2 de agosto – que regerá o país como um poder acima dos demais por tempo indefinido.
No sábado (22), uma marcha em apoio aos magistrados juramentados pelo Parlamento opositor, para uma Corte Suprema paralela, foi marcada por violência. Um dos 33 magistrados foi preso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *