Romã

A romã, fruta que é cercada de misticismo, fazendo parte de simpatias e rituais, afamada por trazer bons fluidos, também pode ser uma poderosa aliada da saúde.

Preciosas cápsulas…

É na polpa, formada por sementes em forma de cápsulas translúcidas que se encontram a maioria dos nutrientes e compostos benéficos da fruta. Rica em ácidos graxos, a romã beneficia de forma especial o sistema cardiovascular, diminuindo o colesterol ruim, fortalecendo as paredes internas dos vasos e evitando, assim, os temidos infarto e derrame.

Cientistas concluíram que essas propriedades da romã se dão por causa das adversidades enfrentadas na região de origem, onde a planta se adaptou às mudanças bruscas de temperatura, sendo os antioxidantes, por exemplo, responsáveis por diminuir os danos causados pela variação entre o calor tórrido durante o dia e o frio extremo durante a noite. Por isso, também, há bom estoque de gorduras em suas sementes. Não fosse por essa química, a germinação se tornaria impossível e a planta desapareceria.

Além de proteger as nossas artérias, a romã também possui substâncias que tem poder de barrar algumas moléculas que danificam a estrutura celular e desencadeiam o câncer. Estudos comprovam que essa propriedade se dá pela presença de três ácidos: gálico, elágico e protocatequínico, além de doses concentradas de antocianinas, que são substâncias reconhecidamente anticancerígenas e são as responsáveis pela cor avermelhada da sua polpa. A associação dessas substâncias vem sendo estudada tanto no Brasil quanto por cientistas do mundo inteiro e já há estudos que associam a fruta à redução do risco de câncer de próstata; um dos estudos, nos Estados Unidos, mostra que a romã ajuda a freiar a multiplicação de células malignas.

Também são atribuídos à ela os poderes de emagrecimento, antioxidante, o que previne o envelhecimento precoce e evita diversas doenças e o poder antiinflamatório.

A fruta pode ser consumida in natura, pois é muito saborosa, também pode ser preparado um suco com sua polpa e pode ainda, ser acrescentada à saladas e molhos, só que, nesse último caso, não deve ficar muito tempo em cozimento, pois perde suas propriedades.

Mesmo sendo tão benéfica, a romã não deve ser consumida em excesso, pois alguns de seus componentes podem prejudicar a absorção de nutrientes e pode causar algum desconforto gástrico. Uma maneira de reduzir os riscos disso acontecer é acrescentar água ao suco, para que não fique muito concentrado e picar as sementes para acrescentá-la aos poucos à saladas.

A romã ainda concentra propriedades na parte branca, que envolve as sementes da polpa e também na casca, que pode ser amarelada, a mais comum em nosso país, ou rosada, que é originária do Canadá e não é tão comum por aqui. Dessas pode-se preparar chás que tratam diversos problemas, como inflamações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *