PSDB prorroga mandato de Aécio como presidente do partido até 2018

Legenda informou que decisão tem como objetivo manter unidade interna; mandato se encerraria em maio do ano que vem.

A Executiva Nacional do PSDB decidiu nesta quinta-feira (15) prorrogar o mandato do senador Aécio Neves (MG) como presidente do partido até maio de 2018, informou a assessoria da legenda.

Em nota na qual comunicou a decisão, o PSDB informou que decidiu manter Aécio à frente da sigla para “manter a unidade do partido, neste momento de crise econômica e política”. Inicialmente, o mandato dele se encerraria em maio de 2017.

Além de Aécio, os demais integrantes da cúpula da legenda também continuarão até maio de 2018.

Segundo o partido, a medida foi tomada com o aval da “ampla maioria” dos presentes à reunião desta quinta e de 22 diretórios estaduais.

O número de votos a favor da prorrogação do mandato de Aécio não foi divulgado pelo PSDB, assim como os motivos de a Executiva Nacional ter analisado o tema.

Voto de FHC

Em um voto por escrito, divulgado pela assessoria do PSDB, o ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso, presidente de honra do PSDB, defendeu maior união entre os líderes do partido.

“O PSDB precisa mais do que nunca da união de seus líderes que, espero, na ocasião oportuna estarão também em torno de quem, em 2018, tiver melhores condições de apoio eleitoral e político para levar o Brasil adiante”, escreveu FHC.
Prorrogação do mandato
Segundo informou o PSDB, a prorrogação de mandato da Executiva Nacional está prevista no estatuto do partido e já foi adotada em, pelo menos, outras quatro ocasiões.

A decisão tomada nesta quinta se estende também aos mandatos dos diretórios estaduais, exceto aqueles que se posicionaram contra a prorrogação.

No caso diretórios municipais, as convenções estão mantidas para maio de 2017.

Participação no governo Temer

Atualmente, o PSDB comanda três ministérios no governo do presidente Michel Temer: Relações Exteriores (José Serra), Justiça (Alexandre de Moraes) e Cidades (Bruno de Araújo). O líder do governo no Senado é Aloysio Nunes (SP), candidato a vice-presidente em 2014 na chapa formada com Aécio Neves, derrotada pela chapa formada por Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (PMDB).

Além disso, o presidente Temer ainda avalia nomear um tucano para a Secretaria de Governo, sem ministro desde que Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) pediu demissão, em meio a uma crise no governo envolvendo ele e o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero. Entre os nomes, está o do líder do PSDB na Câmara, Antonio Imbassahy (BA).

Segundo Aécio, o partido continuará “parceiro” e “ao lago” do governo Temer até o “final da travessia” que o país enfrenta, em referência ao atual cenário econômico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *