Prefeitura toma cobertores de moradores de rua, diz padre Júlio

O "rapa" da Prefeitura não para nem no domingo de manhã... Os irmãos costumam dizer: "Vocês nos dão cobertores a noite e o rapa tira de manhã".Foto de facebook

Ação de equipe de zeladoria na Praça da Sé, com apoio da GCM, teria ocorrido na manhã de domingo. Doria e secretário de Assistência e Desenvolvimento negam

 

Na semana em que se espera as temperaturas mais baixas do ano na capital, a gestão João Doria (PSDB) retirou cobertores e itens de higiene pessoal dos moradores de rua na Praça da Sé, na região central.

 

A denúncia foi feita, na segunda-feira (17), pelo padre Júlio Lancellotti, da Pastoral do Povo da Rua, durante a inauguração do Centro Temporário de Acolhimento na Zona Leste.

Segundo o sacerdote, a ação, que contraria orientação da própria Prefeitura, ocorreu na manhã de domingo e foi executada por equipes de zeladoria e da GCM (Guarda Civil Metropolitana).

A ação vai de encontro a uma portaria publicada no mês passado pela administração municipal, que proíbe o recolhimento dos pertences dos moradores de rua, como cobertores, colchões e itens de higiene pessoal.

“É inadmissível existir uma ordem municipal e ela não ser seguida. Peço que seja seguido o que está escrito no decreto”, disse o padre. “Neste ano tivemos duas mortes na rua. Nós não gostaríamos de ter mais nenhuma.”

Doria e o secretário de Assistência e Desenvolvimento Social, Filipe Sabará, negam que equipes da Prefeitura tenham descumprido a determinação.

“A portaria garante que itens pessoais e de emergência sejam mantidos com essas pessoas. Nem cobertor nem item de higiene pessoal foram retirados”, afirmou Sabará sobre a ação de domingo ao DIÁRIO.

Doria disse que a expressão “rapa” é errada. O prefeito afirmou ter solicitado ao secretário de Segurança Urbana, José Roberto Rodrigues de Oliveira, para que “haja um cuidado maior na abordagem às pessoas em situação de rua”.

O prefeito também negou que a ação de domingo tenha retirado cobertores. “Não faz sentido. Se estamos doando cobertores, recolher depois (não se aplica)”, disparou. “O objetivo é dar atendimento às pessoas e não tirar cobertor. Tem alguma informação que não bate.”

A gestão diz ter entregue até agora cinco mil cobertores dos 20 mil que foram doados pela iniciativa privada.

Apesar da administração municipal negar o ocorrido, imagens compartilhadas em uma rede social de Lancellotti mostram caminhões da Prefeitura com cobertores e colchões. As fotos, segundo o padre, são de domingo.

HADDAD/ A polêmica em volta do assunto fragilizou a gestão Fernando Haddad (PT) em 2016. O petista foi criticado após de diversas ações da GCM contra os moradores de rua. Na época, o petista havia publicado um decreto que autorizava os guardas a retirarem cobertores. Após as críticas, recuou.

O mesmo aconteceu com Doria, que havia liberado no início do ano a retirada dos itens pessoais de moradores de rua, mas após a péssima repercussão, voltou atrás.

Prefeitura inaugura centro de acolhida temporário com canil

A gestão João Doria (PSDB) inaugurou ontem o o CTA (Centro de Acolhimento Temporário) para moradores de rua na Zona Leste. O local passa a funcionar hoje e tem capacidade para receber 150 homens e 50 mulheres.

O espaço também vai oferecer um canil, que consegue abrigar até 23 cachorros. Muitos moradores de rua não aceitam ficar em albergues, pois os animais de estimação não têm entrada autorizada.

Segundo a Prefeitura, o serviço vai funcionar 24 horas por dia e será mantido por uma parceria entre a Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social e a Associação Nossa Senhora das Graças.

O terreno, que fica na Avenida Rio das Pedras, 2.421, foi doado por uma família residente da região, que já adiantou a inauguração de uma creche nos próximos 60 dias no bairro.

O CTA da Zona Leste também terá uma equipe médica para atender a população de rua.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *