O QUE ESTÁ POR VIR

Data de lançamento 22 de dezembro de 2016 (1h 38min)
Direção: Mia Hansen-Løve
Elenco: Isabelle Huppert, André Marcon, Roman Kolinka mais
Gênero: Drama
Nacionalidades: França, Alemanha

SINOPSE E DETALHES

Nathalie (Isabelle Huppert) costumava ser uma mãe de família com dois filhos e professora de filosofia realizada, até que toda a sua vida começa a ruir. Ela é traída pelo marido, demitida do emprego e perde a mãe. Sozinha aos 55 anos de idade, ela precisa lidar com o abandono e todos os seus conflitos.

Crítica

Os trinta primeiros minutos desse drama se desenvolvem de maneira calma. Nathalie (Isabelle Huppert) é apresentada junto do marido e dos filhos pequenos numa viagem agradável. Anos mais tarde, a personagem é vista em sua rotina de professora de filosofia. A família caminha bem, assim como o trabalho. A princípio, não há conflito: Nathalie é uma mulher bem resolvida com a paixão pela filosofia e com o abandono das bandeiras políticas defendidas no passado.

Porém, como sugere o título, a protagonista passa a enfrentar uma série de reviravoltas. São uma, duas, três mudanças importantes em sua vida, do tipo que a maioria dos dramas trataria como uma tragédia lacrimosa. O Que Está Por Vir, no entanto, é conduzido com uma leveza impressionante. Nathalie sofre, é claro, mas a diretora Mia Hansen-Love não permite que o sofrimento tome conta da personagem, nem do filme. Assim que os olhos de Isabelle Huppert se enchem de lágrimas, a montagem corta para o dia seguinte. A diretora imagina um modo saudável de lidar com os traumas, sem evitá-los, mas sem permitir que impregnem outros domínios da vida íntima.


Huppert contribui ao projeto em tom oposto ao do perverso Elle. É impressionante a variação de registros que a atriz é capaz de apresentar. Dessa vez, a francesa está solar, com gestos calmos e corpo despojado sob os vestidos floridos e camisas largas. Huppert interpreta uma mulher de meia-idade satisfeita com suas escolhas e desprovida do olhar de dominação que os cineastas tanto gostam de extrair dela. Depois de papéis soturnos – muitos deles no mesmo ano de 2016 -, talvez o maior desafio para a veterana fosse atingir a transparência absoluta. Desafio cumprido: desde A Visitante Francesa (2012) ela não aparecia tão radiante em tela.

O Que Está Por Vir se desenha como um drama de personagens, mas também uma orgânica discussão filosófica. Ninguém despeja nomes de teóricos ou termos complicados ao espectador, pelo contrário: Nathalie conversa frequentemente com um aluno de tendência anarquista, Fabien (Roman Kolinka), durante encontros amigáveis. Esses diálogos questionam a incoerência entre as ideias propagadas pela professora e aquelas colocadas em prática em sua vida pessoal, além de estabelecerem um interessante duelo de gerações, opondo a crença no futuro à descrença no papel transformador da política.

O maior mérito do filme é embutir tamanha complexidade filosófica numa embalagem simples. Hansen-Love brinca com luzes naturais, sons ambientes (ruídos da rua, da natureza, de outros diálogos ao redor), músicas diegéticas e uma câmera que acompanha as caminhadas de Nathalie na casa ou na sala de aula, em coreografia precisa, porém discreta, dedicada inteiramente aos corpos e rostos. Este é um cinema ultra naturalista sem vocação militante (ou seja, algo diferente do estilo dos irmãos Dardenne, por exemplo), preferindo um olhar intimista, psicológico. Um grande filme travestido de obra singela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *