O NASCIMENTO DE UMA NAÇÃO

Data de lançamento 10 de novembro de 2016 (1h 50min)
Direção: Nate Parker
Elenco: Nate Parker, Armie Hammer, Mark Boone Junior mais
Gêneros: Biografia, Histórico, Drama
Nacionalidade: Eua

SINOPSE E DETALHES

Nat Turner (Nate Parker), um escravo letrado e pregador, é usado pelo seu proprietário Samuel Turner (Armie Hammer) para acalmar os escravos rebeldes. Depois de testemunhar inúmeras atrocidades, no entanto, ele decide elaborar um plano e liderar o movimento de libertação do seu povo.

Crítica

The Birth of a Nation é uma história de vingança que começa nos bastidores. Em 1915 (!), O Nascimento de uma Nação, filme de D.W. Griffith, fez um estrondoso sucesso, acompanhando o conflito de duas famílias de ideais opostos durante a Guerra de Secessão (1861-1865), nos Estados Unidos. A obra retratava os negros (interpretados por brancos de cara pintada, no pior estilo blackface) como selvagens e, de quebra, ainda fazia uma propaganda da Ku Klux Klan.

Durante sete anos – e mais de um século depois –, o realizador Nate Parker, negro, se debruçou sobre um projeto que irônica e brilhantemente ele batizou de… The Birth of a Nation (ou “O Nascimento de uma Nação”), filme sobre… vingança que ele escreveu, produziu, dirigiu e (o que mais? Ah…) ainda protagoniza, como ator.

Para tanto, ele resolveu desenterrar a figura histórica de Nat Turner, um personagem real, escravo que fez fama por liderar uma rebelião em 1831 (portanto, antes do conflito supracitado, que, diz-se, culminou na refundação – ou renascimento – dos Estados Unidos da América) e que resultou na morte de cerca de 60 senhores de escravos (todos caucasianos, obviamente).

Os relatos da época dão conta de que o insurgente aprendeu a ler de pequeno e que, religioso, dominava a oratória como ninguém – ele costumava pregar para os membros da própria comunidade. Não satisfeito com os registros históricos, porém, o realizador vai ainda além: Nate pega Nat pela infância e o transforma numa espécie de salvador predestinado, ungido pelo guru dos rituais africanos.

Fantasia (e criatividade, diga-se) à parte, é de se supor que Nat Turner não tenha tido uma vida fácil. E, nesse ponto, ou seja, durante a apresentação do personagem no primeiro terço do filme, Nate Parker pesa – e muito – a mão para dar conta dos horrores da escravidão. Não é que não se trate de um momento sangrento da História, mas, tecnicamente, apesar dos ares de superprodução, a narrativa é dura, falta subtexto para o público.

A ausência de sutileza, por outro lado, é compensada durante o andamento do filme, pela progressão emocional do protagonista, que carrega consigo a plateia que estiver presente, onde for, para um final catártico. Violência por violência, esteticamente falando, não faltam exemplos de cenas fortes no cinema mundial (sim, você vai virar a cara para algumas, mas nada que não tenha feito durante A Outra História Americana).

Mas o filme lava com sangue a alma de uma enorme parte da população que já deu, faz tempo, sua cota de sofrimento na Terra. E Nate Parker soube aproveitar com maestria os simbolismos para ir à forra. O envolvimento do ator com o personagem é tão evidente – transborda da tela – que, se ele não for indicado ao Oscar por sua performance, os membros da “Academia” vão precisar passar o ano in-tei-ro se explicando.

E já que a comparação é inevitável, The Birth of a Nation é 12 Anos de Escravidão versão “faca na caveira”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *