O FILHO ETERNO

Data de lançamento 1 de dezembro de 2016 (1h 22min)
Direção: Paulo Machline
Elenco: Marcos Veras, Débora Falabella, Uyara Torrente mais
Gênero: Drama
Nacionalidade: Brasil

SINOPSE E DETALHES

O casal Roberto (Marcos Veras) e Cláudia (Débora Falabella) aguarda ansiosamente pela chegada de seu primeiro bebê. Roberto, que é escritor, vê a chegada do filho com esperança e como um ponto de partida para uma mudança completa de vida. Mas toda a áurea de alegria dos pais é transformada em incerteza e medo com a descoberta de que Fabrício, o bebê, é portador da Síndrome de Down. A insatisfação e a vergonha tomam conta do pai, que terá de enfrentar muitos desafios para encontrar o verdadeiro significado da paternidade.

Crítica

“Na literatura – na boa literatura, pelo menos –, o poder das escolhas tem um peso”, atesta o escritor Roberto, personagem de Marcos Veras, em determinado momento de O Filho Eterno. E não foram poucas as decisões que o diretor Paulo Machline (do bom Trinta) e sua equipe tiveram que tomar para traduzir em imagens o romance homônimo de Cristóvão Tezza que é praticamente um desabafo em primeira pessoa sobre os desafios de ser pai de uma criança com síndrome de Down – não à toa, no teatro, o texto foi encenado no formato de monólogo (protagonizado por Charles Fricks).

Assim, o roteiro de Leonardo Levis traz soluções criativas para um material de origem tão subjetivo, ao mesmo tempo em que não evita armadilhas comuns ao processo de transposição do papel para a tela. Assim que descobre que o filho é portador da síndrome – estamos no início dos anos 1980 (aqui cabe um parêntese para o caprichado trabalho da direção de arte, maquiagem e figurino), quando havia menos informações ainda disponíveis a respeito da alteração do cromossomo, e termos como “mongol” eram considerados “aceitáveis” para se referir à condição –, Roberto diz: “Senti as minhas pernas, elas não aguentariam o peso da alma”. Bem, a rigor, cinema é imagem, e a locução em off – e o abuso do recurso no filme – se mostra um caminho fácil para representar as situações.

Por outro lado, o fato de não fugir do tom duro, severo mesmo, da obra original, é um mérito do roteiro. Depois do baque inicial da notícia, Roberto enxerga a luz no fim do túnel quando “descobre” que crianças com Down “morrem cedo”. Não é fácil. Nem mesmo para a audiência. Mas as dificuldades de lidar com uma paternidade que evolve cuidados extras avança para além do terço final do filme, o que o caracteriza com uma estrutura um tanto repetitiva – e com uma virada brusca na curva final.

Se adaptar é “trair”, o grande pulo (de cerca) do gato de O Filho Eterno é “inventar” uma mãe (Débora Falabella) para Fabrício (Pedro Vinícius). Esporádica no livro, aqui, apesar de claramente coadjuvante, ela ganha um peso bem maior para a trama. E cumpre bem a função de apresentar um contraponto para a revolta de Roberto. Se a Veras cabe a difícil tarefa de conduzir o filme – o que ele faz sem prejuízo para a obra –, a Falabella sobra inventar lacunas para um papel aparentemente sem contradições (ela está ali para “amar incondicionalmente”), o que a atriz faz com sutilezas. Bondosa na concepção, a personagem dificilmente sorri (e tem um monólogo, contido, digno de prêmios).

Toda a narrativa, que avança cerca de uma década no tempo, é acompanhada, num arco maior, pela performance da seleção brasileira de futebol no período. Embora óbvia, a metáfora que tangencia a relação pai e filho, em princípio, soa deslocada, mas se justifica de maneira emocionante à medida em que o filme avança.

Emoção, aliás, é um gol praticamente feito para uma produção com essa temática. E a (aparente) espontaneidade de Pedro Vinícius em cena é de comover os torcedores mais desacreditados. Mas os sentimentos resvalam na pieguice do melodrama, a partir de uma trilha sonora muito presente. Um tanto convencional, O Filho Eterno poderia ser menos “normal”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *