Inverno requer mais cuidados com o bem-estar dos pets

Neguinha-na-passarela_LD-530x270

Tempo seco e temperaturas baixas. Se os humanos já sentem as mudanças no inverno, imagine os pets. Entre as doenças mais comuns, pneumonia e resfriado são as que mais atingem os animais. E não são só cachorros e gatos: aves, roedores, ou até uma cobra, requerem cuidados.

O MetrôNews conversou com três especialistas para esclarecer o assunto: as veterinárias Karina Delia Albuquerque e Maria Carolina Pita, professoras da Universidade UNG, e Carla Storino Bernardes, do Pet Shop Cobasi.

Segundo Karina, “são duas dicas principais: evitar dar banhos e não deixar os gatos saírem muito de casa durante a manhã e à noite”. No caso de a higienização ser inevitável, deve-se utilizar água morna.

Para Carla, “o uso de roupinhas para manutenção da temperatura deles é legal”. Mas fique de olho: elas devem ser trocadas e lavadas periodicamente. “Devemos escovar os animais de pelo com maior frequência quando há utilização desses acessórios para evitar doenças de pele”, disse.

De acordo com Maria, cobrir a gaiola, ou deixá-la dentro de casa, são alternativas às aves. “Isso desde os canários até as araras”.
Quentinho – Agasalhar o bicho de estimação é uma boa medida (Foto: Lucas Dantas)

Conheça bem o bichinho

Sobre os répteis, a indicação é utilizar lâmpadas de cerâmica, que aquecem e não emitem luz. “Eles não produzem calor, dependem da temperatura do ambiente. As cobras, por exemplo, regurgitam alimentos por não conseguirem fazer a digestão direito”, comentou Maria. Os peixes também precisam de ajustes na temperatura da água. “Mas tome cuidado, porque alguns são de águas frias; outros, de quentes. Saber isso é muito importante”, explicou. No caso de roedores, a indicação é não aquecer demais o ambiente. “Eles têm maior tendência ao superaquecimento. Para eles, é legal ter uma casinha e em um local sem vento”. (RP)

Cães: ter uma casinha e estímulos para ingerir água. Podem ser utilizadas roupas, mas eles devem ser escovados na troca.
Gatos: estímulo para beber água. Deve-se evitar que eles saiam de casa durante as manhãs e à noite.
Aves: evitar áreas com ventos e temperaturas baixas. A gaiola pode ser coberta com mantas.
Répteis: utilizar lâmpadas de cerâmica para aquecê-los. Cuidado com pedras quentes, pois podem gerar queimaduras no corpo do bicho.
Peixes: ajustar temperatura da água com aquecedores. Mas conheça o tipo do animal, pois alguns são de águas frias e outros, quentes.
Roedores: uma casinha e um local sem vento, bastam. Tome cuidado para não superaquecer.

Fonte: Metrô News

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *