Grávidas famosas falam do temor de contrair o zika vírus

‘Prevenir e não se preocupar’, sugere Carolina Kasting, grávida de quatro meses do segundo filho. ‘Estou um pouco neurótica’, admite Rubia Baricelli.

O surgimento de casos frequentes de microcefalia em recém-nascidos atribuídos ao zika vírus tem assustado as mulheres grávidas. Transmitido pelo mosquito Aedes aegypti – o mesmo que transmite a dengue e a febre chikungunya – o vírus causa má formação no cérebro dos bebês de mães que contraem a doença no período gestacional. A relação entre o zika vírus e o aumento de bebês com microcefalia no Brasil foi reconhecida recentemente pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

O bebê que contrai o vírus da mãe contaminada na gravidez nasce com deficiências mentais e físicas. Quanto mais precoce a infecção acontecer, como nos primeiros três meses da gestação, maior é a chace de aborto espontâneo. A ciência, no entanto, ainda não sabe precisar quais são as sequelas do zika na maioria das crianças que estão nascendo com problemas.

Atentas ao problema que assola o Brasil e o mundo, famosas falam como reagem ao clima de preocupação sobre a doença.

Carolina Kasting: “Fico preocupada com o zika da mesma forma que me preocupo com a dengue. É preciso se prevenir e não se apavorar. O medo pode gerar outros problemas. Estar grávida é uma dádiva. Seja feliz. Não deixe de viver, de fazer atividade física, de se alimentar bem, de curtir o momento. E passar muito repelente. As grávidas podem usar todo repelente para crianças. Se eu contraísse o vírus, reagiria da forma mais humana possível.”

Aline Gotschalg, no Instagram: “Não posso deixar de falar… Gravidíssimas.. Vocês estão se cuidando?? É realmente muito preocupante esse surto do Zika vírus. Assustador ! Está cada dia aumentando os casos. Procurem seus médicos e tirem todas as dúvidas. Eu já fiz isso e minha médica me passou duas marcas de repelentes que podemos usar na gestação”.

Carol Trentini: “Tenho tomado os cuidados básicos. Além de usar repelente e não viajar para regiões de risco, tenho estado mais atenta à limpeza da casa para não termos água parada.”

Rubia Baricelli: “Estou um pouco neurótica, vejo um mosquitinho e já fico nervosa. Todo mundo está bastante preocupado, né? Meu pai (Luigi Baricelli) vive me pedindo para eu me prevenir. Temos que prevenir o mosquito. Eu fico bem ligada para não deixar água parada, para estar sempre com repelente. É preciso que a grávida saiba qual repente ela pode usar, porque não são todos. É importante também não andar tão descoberta, uso bastante roupa. Não pode dar chance para o azar! se eu soubesse que a criança iria nascer com microcefalia eu não tiraria. Já sei que estou esperando uma menina, e estou já pensando no rostinho dela. Será uma criança muito especial, muito amada, da forma que vier. Não podemos pensar negativo, mas se acontecer é preciso encarar. Minha filha será linda do jeitinho dela, com os tratamentos que ela precise ou não fazer. É importante procurar orientação médica em todos os casos.”

Rebeka Francys: “Eu pesquisei muito sobre a doença, mas agora procuro nem ver os notíciários, fico preocupada. A minha parte estou fazendo. Estou usando um repelente caseiro à base de cravo, que minha sogra faz, porque protege mais que os repelentes vendidos em farmácias. Eu moro em prédio, no 16º andar, então lá jamais deixo água parada, procuro não viajar para áreas de risco, até praia estou evitando. Não posso ver um mosquito que já fico em pânico, vai saber né? Eu sou totalmente contra o aborto, acho que isso não deve acontecer em hipótese alguma, nem no caso de microcefalia. Mas, cada uma sabe o que é melhor para si, né?”

Paloma Duarte: “Claro que estou usando litros de repelente. Não dá pra bobear. Uso um que é o único, infelizmente, feito à base de Icaridina (princípio ativo derivado da pimenta) e o retoco a cada três horas”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *