Granola

A granola é composta na maior parte por carboidratos – a principal fonte energética da alimentação.

Este nutriente exerce a função de fornecer a energia que o corpo necessita para executar as atividades diárias e manter o funcionamento adequado de todo o organismo. O destaque na granola é o fato de que, dependendo da composição, a fonte é em sua maioria de carboidratos complexos proveniente de cereais integrais, grãos e sementes. Este tipo de carboidrato apresenta menor índice glicêmico – favorecendo o aumento da glicemia mais lentamente no sangue – em comparação a outras fontes de carboidratos simples, como o açúcar refinado – presente com frequência na alimentação do brasileiro em bebidas prontas e produtos ultra processados.

Outro elemento favorável na granola consiste no conteúdo de fibras alimentares. As fibras beneficiam a saúde de todo o intestino, por conta do efeito sobre o bom funcionamento do órgão – auxiliando na melhora da constipação quando associada à ingestão de líquidos – e também na ação positiva sobre a manutenção das bactérias benéficas que fazem parte da microbiota intestinal. Essas bactérias atuam na produção de alguns nutrientes e mantém saudáveis as paredes de todo o comprimento do intestino. Outro papel importante das fibras alimentares é promover a sensação de saciedade, reduzindo a fome no intervalo entre as refeições e, consequentemente, permite o melhor controle da ingestão de energia. Particularmente, a fibra denominada beta-glucana presente na aveia, um cereal usualmente presente em grandes quantidade na granola, é uma aliada no controle dos níveis de LDL-colesterol (chamado de “colesterol ruim”) no sangue e pode auxiliar no controle da glicemia de indivíduos diabéticos.

Em geral, a granola possui de moderado a baixo teores de gorduras e, quando presente, apresentam-se especialmente por ácidos graxos mono e poliinsaturados (como o ômega 3 e 6) encontrados nas castanhas, nozes, no interior das sementes de linhaça e gergelim, além de alguns óleos vegetais. As gorduras insaturadas atuam protegendo a saúde do coração e vasos sanguíneos.

Por conta do mix de ingredientes, em geral, estão presentes minerais, sobretudo o zinco, essencial para o sistema imunológico; fósforo, relacionado à formação de ossos e dentes e o selênio (especialmente quando presente a castanha-do-Pará), de ação antioxidante e necessário para a função da glândula tireóide. Adicionalmente, são encontradas vitaminas, principalmente do complexo B, envolvidas em uma série de funções essenciais no organismo, como no metabolismo energético.

Ingredientes da granola:

Atualmente, não há legislação que estabeleça a composição da granola e, por esse motivo é encontrado um leque amplo de opções no mercado que apresentam diferentes ingredientes em proporções variadas. Contudo, basicamente, a granola é um mix entre cereais, como a aveia, cevada (e extrato de malte, obtido a partir da cevada), fibra e gérmen de trigo flocos de arroz e milho e sendo frequentemente acrescida de frutas secas, sendo mais comuns a uva, maçã, banana, damasco e coco. Pode apresentar sementes, como a linhaça e girassol, gergelim e oleaginosas, como a castanha-do-Pará ou cajú, nozes e amêndoas. Outros elementos adicionados para agregar mais sabor são a canela, considerada um alimento termogênico e o cacau puro, de grande capacidade antioxidante.

É de extrema importância atentar que, para obtenção do sabor doce, as granolas geralmente são acrescidas de algum tipo de substância adoçante, como o açúcar refinado – no caso, orienta-se evitar estas opções, acrescidas de açúcares menos processados e que preservam maior quantidade de vitaminas do complexo B, como o açúcar mascavo e demerara, além do melado de cana e mel.

Cuidados ao ingerir a granola

Indivíduos diabéticos devem atentar aos rótulos e optar pela versão diet que não possui adição de açúcares e controlar a quantidade a ser consumida. A versão light, em geral, apresenta menor valor calórico decorrente sobretudo pela redução no teor de gorduras ou de açúcar, figurando como uma opção mais interessante para o controle de peso. É preciso atentar às versões que possuem elementos adicionais, como chocolate, podem comprometer o processo de emagrecimento, sendo orientado preferir as granolas que apresentam frutas secas, por exemplo.

Uma outra orientação é observar e comparar cuidadosamente a tabela nutricional das granolas disponíveis no mercado e optar pelos produtos que possuem maior quantidade de fibras alimentares, menor quantidade de gorduras saturadas – e que jamais contenham gorduras trans – e, sempre que possível, que não apresente corantes em sua composição.

Outro ponto é atentar à lista de ingredientes, que sempre mostra os ingredientes em maior quantidade no produto primeiro na lista, em ordem decrescente para aqueles presentes em menor proporção. Neste sentido, os açúcares, portanto, devem aparecer ao final da lista (no caso de versões regulares).

Indivíduos portadores da doença celíaca devem restringir o consumo da granola, em virtude do glúten presente em determinados cereais, muito embora esta informação deverá ser sempre confirmada por meio da leitura do rótulo do produto.

Granola pode engordar?

A granola, se inserida na alimentação de acordo com as necessidades energéticas diárias individuais somada a um contexto alimentar equilibrado, propiciará uma série de benefícios à saúde em virtude dos nutrientes presentes em seus ingredientes e pode, inclusive contribuir para o controle de peso.

No entanto, o consumo de quantidades excessivas deste alimento invariavelmente irá induzir o indivíduo a engordar. Este fato decorre de que todo o excedente de energia que o organismo recebe – independentemente de qual seja o alimento – em relação ao que gasta (para manutenção das funções vitais e atividade física por exemplo) leva ao acúmulo e reserva deste excedente na forma de gordura corporal.

Dessa forma, o principal ponto quanto aos benefícios da granola e de qualquer outro alimento na saúde é o equilíbrio na quantidade e frequência de consumo.

Como consumir a granola

De forma geral e pelo elevado conteúdo calórico, para adultos saudáveis numa dieta de 2.000 kcal, recomenda-se consumir aproximadamente de 2 a até 4 colheres de sopa (20 a 40g) ao dia ou em dias alternados. Sendo que a quantidade pode variar de acordo com o nível de atividade física, idade e as necessidades energéticas individuais.

Para abastecer o organismo com energia para o resto do dia, a granola pode ser inserida no café da manhã, substituindo alimentos fonte de carboidratos – como pães, torradas e biscoitos – e acompanhada de iogurtes e leite (fontes de proteína e cálcio), indicadas nas versões desnatadas e light no caso de indivíduos que buscam o controle de peso, podendo também ser polvilhadas sobre frutas variadas. Dependendo da proporção entre ingredientes contidos na granola e da composição da refeição junto a este alimento, ela pode ser consumida na refeição pós-treino, pela grande capacidade reconstituinte na recuperação dos estoques de energia do corpo. No entanto, pode também ser inserida no lanche pré-treino (cerca de 1 hora ou 30 minutos antes do início do exercício físico), quando apresentar menor índice glicêmico, como maior proporção de cereais na forma integral, por exemplo, garantindo melhor performance pelo fornecimento de energia gradualmente durante o exercício.

É importante ressaltar que o acompanhamento junto ao profissional de saúde habilitado permitirá planejar de forma adequada de quais formas a granola poderá ser inserida na alimentação de forma saborosa, aproveitando todos os benefícios que este alimento pode proporcionar à saúde de forma equilibrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *