Com leucemia e sem cura possível no Brasil, ex-Guarani faz apelo pela vida

SILAS

Ex-Guarani, o atacante Silas Brindeiro luta pela maior virada de sua vida. O jogador de 30 anos, que fez fama como goleador no interior de São Paulo, batalha contra a leucemia e passa por momento crítico. A doença surgiu pela primeira vez em dezembro de 2014 e foi vencida em junho de 2016, após tratamento com quimioterapia. Porém, a leucemia voltou a atacar Silas em dezembro do ano passado, e a doença retornou mais forte. Na semana passada, o atleta recebeu a informação de que não há mais cura para sua leucemia no Brasil, por nenhum tipo de quimioterapia. A única solução é um tratamento que só existe em dois hospitais nos Estados Unidos e custa 300 mil dólares, R$ 925 mil na cotação atual. Sem condição de pagar o tratamento e correndo contra o tempo pela sobrevivência, Silas decidiu pedir ajuda pela verba publicamente. Em entrevista ao LANCE!, ele abriu o coração e fez apelos.
Desde que a leucemia voltou, no fim do ano passado, Silas esteve internado por quase todo o tempo no hospital Santa Helena, em Brasília (DF), para a realização de quimioterapia. No domingo passado, em um dos raros períodos fora do hospital, o jogador sentiu fortes dores no corpo e precisou ser internado novamente. A quimioterapia, feita de forma rápida, evita que a leucemia se espalhe pelo corpo de Silas, porém o tratamento não consegue mais combater as células já doentes. Somente o tratamento nos Estados Unidos é capaz de zerar as células doentes – e não se sabe até quando a quimioterapia feita no Brasil será capaz de impedir a expansão da doença.
O caminho para a cura é zerar as células doentes nos Estados Unidos, em tratamento que dura entre seis e oito meses, e voltar ao Brasil para transplante de medula óssea. Silas entrou na fila para receber doação em fevereiro de 2015 e, após angustiante espera, conseguiu um doador no mês passado (se tivesse conseguido quando venceu a doença na primeira vez, a chance de reincidência seria quase zero). A estrada para Silas é longa, mas ele não perde a esperança.

– Hoje estou abalado, não vou mentir, mas tenho fé que vou sair dessa. Minha vida é dia após dia. Tenho que agradecer a Deus por estar respirando e me fornecer o dia de amanhã. A leucemia é uma doença que evolui de forma rápida. Estava bem no sábado, sem fazer esforço, e na madrugada tive uma crise com dores muito fortes. Se não tivesse vindo para o hospital rapidamente, poderia ter ido a óbito – disse Silas, complementando com um apelo especial:
– Deixo um pedido. Estou necessitado e existe apenas uma alternativa, que é o tratamento CAR-T cells, nos Estados Unidos. Só que é inviável financeiramente para mim. Minha única chance de vida é o transplante de medula óssea e só poderei receber o transplante quando estiver livre das células doentes. A medula está disponível agora. O médico não me deu um prazo, mas sei que não tenho muito tempo para esperar. Estou no hospital Santa Helena, em Brasília. Quem estiver lendo, peço se pode me ajudar. O que você contribuir vai estar me ajudando muito. Tenho certeza que Deus vai lhe dar em dobro.
A situação de Silas tem gerado forte mobilização entre os jogadores de futebol. Nomes como Alex, ex-Palmeiras e Cruzeiro, e Tulio de Melo, da Chapecoense, já publicaram postagens no Instagram pedindo doações. Silas revelou que seu médico tentou contato com Neymar, porém não obteve sucesso.
– Hoje só consigo viver para sustentar meu plano de saúde e medicações, não tenho contrato com nenhum clube. Sou beneficiário do INSS e minha esposa trabalha na área administrativa de outro hospital. Nossa renda é pequena, por isso estou pedindo ajuda. Meu médico tentou até o contato do Neymar, mas ele não tem tanta influência no meio esportivo. Chegar no Neymar é tão distante… Ele nunca me viu na vida. Tenho vergonha em chamá-lo nas redes sociais. Não quero ficar chamando a atenção, ser mal interpretado. Meu caso é de vida ou morte, e ficar mal falado seria algo triste – destacou Silas Brindeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *