Centrão pressiona por ministérios do PSDB

DF - AÉCIO NEVES/TASSO JEREISSATI - POLÍTICA - Os senadores Tasso Jereissati (PSDB-CE) (e) e Aécio Neves (PSDB-MG) durante encontro em Brasília, nesta quinta-feira, 3. Aécio anunciou em seu gabinete, no Senado Federal, durante entrevista coletiva, a passagem do comando do PSDB nacional para o senador Jereissati.  03/08/2017 - Foto: WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO
A votação da denúncia contra o presidente Michel Temer expôs o racha interno do PSDB e gerou desconforto entre partidos do centrão (PP, PR, PSD, PTB, PROS, PSC, SD, PRB, PEN, PTN, PHS e PSL) e do próprio PMDB. Os tucanos comandam hoje quatro ministérios (Relações Exteriores, Cidades, Secretaria-Geral da Presidência e Direitos Humanos), pastas cada vez mais cobiçadas por legendas da base do governo – em especial o Ministério das Cidades, que possui o orçamento mais robusto.
O centrão fez o mapeamento das traições ao governo e levou ao Planalto suas queixas. Ontem, Temer se reuniu com quatro deputados, além do líder na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), e integrantes da chamada “tropa de choque”: Beto Mansur (PRB-SP) e Darcísio Perondi (PMDB-RS). O presidente ainda avalia a melhor maneira de agradar os partidos do centrão sem comprar briga com os tucanos. Considerando os 263 votos conquistados na votação da denúncia, o governo não pode se dar ao luxo de retaliar a bancada do PSDB, pois precisa do apoio do partido para aprovar as reformas que deseja (Previdência, tributária e política).
Presidência
Ontem, o senador Aécio Neves (MG), presidente licenciado da sigla, disse que o comando interino do PSDB seguirá nas mãos do senador Tasso Jereissati (CE). O tucano ainda anunciou que o partido fará a convenção nacional até o final do ano. Serão renovadas a direção e a presidência da legenda, assim como a escolha do nome que vai disputar a Presidência da República em 2018.
“Fiz um apelo em nome da unidade do partido para que o senador Tasso Jereissati continue como presidente e conduza aquilo que é essencial: uma grande discussão do programa partidário junto com vários setores da sociedade civil para que o PSDB volte a representar o que sempre representou e foi essencial ao país”, disse Aécio.
A decisão surpreendeu, visto que era esperada a saída de Jereissati da presidência do partido. Ele é abertamente favorável ao desembarque da base

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *