Artista celebra processo de paz na Colômbia transformando balas em belíssimas esculturas

Mesmo hoje vivendo na Flórida, nos EUA, esse estado de violência constante naturalmente inspirou seu trabalho – e de objetos capazes de provocar morte e dor ele constrói impressionantes obras de arte.

O artista colombiano Federico Uribe não conhece seu país sem que ele esteja em conflito. A guerra entre o governo colombiano e as forças rebeldes já dura quase 50 anos, com mais de 200 mil mortos e em torno de 7 milhões de colombianos obrigados a deixar o país.

Sua exposição atual, em uma galeria em Nova Iorque, mostra uma série de animais construídos a partir de balas de fuzil e pistolas oriundas dos conflitos na Colômbia. “Criar beleza a partir desses testemunhos de morte é o que estou tentando fazer. São memórias horríveis relacionadas a esses objetos, e eu tento criar um meio das pessoas encontrarem beleza em toda essa dor”, ele diz. A série se chama “Estamos em paz”.

O recente acordo de cessar-fogo bilateral e definitivo firmado entre o governo colombiano e as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), através do qual os rebeldes garantiram o total desarmamento de seu exército, pode ser um passo histórico para que o conflito chegue ao fim de uma vez por todas. É a primeira vez que as Farc aceitam o desarmamento.

Ainda é preciso alcançar o mesmo tipo de acordo com o Exército de Liberação Nacional, a segunda maior guerrilha armada do país, e com os diversos grupos criminosos armados que ainda existem na Colômbia para se falar em um real momento de paz no país, mas de qualquer forma esse é o primeiro grande indício de que a paz pode enfim ser alcançada.

O cessar-fogo dá ao trabalho de Uribe a força de um sentimento vitorioso – como se de fato fosse possível enfim retirar beleza de tanta dor. Será o raro caso em que uma obra de arte se tornar datada e obsoleta trará muito mais alegria ao seu autor do que ela se manter atual por muito tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *